Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Só enquanto eu me lembrar

Preciso de um gole de uma bebida forte,
que me deixe alto e depois me derrube
com a cara no chão do teu quarto.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Quando vi, já foi...

Quando o amor morre, pra onde vai? Sai a vagar por aí feito alma penada?
Reencarna em seguida?
Pra onde vai o amor quando o último piscar de olhos se despede da vida?
Manda cartas psicografadas depois?
Assombra corações?
Pra onde vai?
Será que muda de nome?
Será que lembra quem foi?
Pra onde vai quando o soluço cessa, e o corpo acalma?
Pra onde e até onde vai?
Se a despedida é inevitável, onde procuro quando nomes forem pronunciados em vão?
O que eu faço pra aceitar o medo sobre (o) natural?
O normal, o que significa?
Pra onde tu vais quando noites não são dormidas e sonhos não são sonhados?
Por que nenhum recado no móvel da sala de estar?
Um aceno que fosse. Um abraço apertado na noite anterior. Por que essa saída surpresa? Porque não um adeus anunciado, com gritos, brigas e verdades na cara?
Por que quando vi, já foi?
E pra onde foi que não sentiu um coração cansado deflagrar sua ultima batida sem ser por causas naturais?

A partida é a morte ou a chegada de uma nova vida? De onde vem?

É mesmo o acaso que o beija e traí? E em seguida lava suas mãos?

Quando é chegada à hora de sua morte, pra onde tu vais amor?

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Antes que o dia termine...

Vivo uma época que, tenho quase certeza, não pertenço. E um sonho repetitivo que me incomoda. Acho tudo muito estranho e cinza.
- Mas não sinto que tenha que desistir.

Caminho descalço sobre um estraçalhado tapete de vidro, mas acho que isso não me fará parar.
- Escuto um sussurro em meu ouvido dizendo que tenho que ir até o fim. Mas quem disse que não estou indo pra lá?"

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Sonhos de um solstício de domingo.

"A porta se abre. Meus olhos, num alucinado abrir e fechar, aplaudem. Ela entra em minha vida e tudo fica tranquilo".