Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

répondez s`il vous plait

Ando para trás como um rolo de filme antigo sendo rebobinado. Ando de encontro ao passado como algo que ainda hei de viver.
Desconsidero o que virá. Nego o destino, desconfio do acaso, mas acredito no bater de asas de uma borboleta que sopra à tempestade do outro lado do mar.

Estou à procura, sem saber onde procurar.


Será a vida uma coincidência casualmente tramada? Talvez eu nunca saiba.

Vejo a mão estendida que aponta. - Creio que mostre, e não que ordene.
[A liberdade dada para seguir pela estrada é confundia com o descaso. Assim como as pedras no caminho, que constroem, mas podem destruir].

Enquanto as borboletas voam por aí, soprando os ventos do acaso. Eu vejo um filme pelo avesso e começo pelo fim. [As respostas estão despidas de senso comum e andam nuas por aí.]

Nu também passeia o meu entendimento sobre a vida, que acha tudo contido na casual condição de existir..

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

À espera de uma tarde...

Os pés nus contra o chão, e entre os dedos, o vai e vem da grama verde e da areia morna num valsear ao som da brisa. Sobre o espírito, a calmaria abre as asas carregando pensamentos.


Os olhos contraídos, em luta diante do sol (que mergulha rumo ao chão), se fecham de vez. E a tarde se esvai pelo tempo.

Um meio tom de silêncio surge no horizonte como a ausência do som de uma batalha épica e sangrenta, e incomoda. Só o vento sopra e toca o rosto pálido e húmido que agora sorri. Mas algo falta.

O coração mede o tamanho da saudade em léguas e palpita a distância. - É estrada nova de um velho caminho que desenha o futuro. Respirar fundo e deixar o ar entrar, - é o que dizem.

Logo que mude as estações, o destino mudará a canção. E um corpo inquieto vai tirar os pés do chão de vez. Manhãs irão chegar, e tardes se esvair em ventos que soprarão por todo teu corpo. E se perderão - rumo ao infinito...